terça-feira, 25 de julho de 2017

O amor que me navega...

Garoeiro – Natal, RN, 25 de julho de 2017.









No menino que fui onde navego
Pressinto minha atracação mais pura,
E singro a mesma rota na lonjura
Mas só me perco porque o rumo é cego.

E falho na aventura a que me entrego,
Proando em águas da razão segura,
Nublado aquele porto de loucura
Pois já metamorfoseei-me o ego.

Nessa eterna viagem que invento
Impede a volta da metamorfose
O mar maduro do meu pensamento.

Mas a nau do meu ser repete a dose,
Em demanda pelo caminho inverso,
Do menino que trago submerso...

Nenhum comentário:

Postar um comentário