quarta-feira, 12 de julho de 2017

Janela de espiar...

Garoeiro – Natal, RN, 12 de julho de 2017.

















Sagração do invisível,
Campeia a Poesia
Nos meandros da essência,
A que evidência sensível
Não seja a única via
Aos pagos da consciência.

Porque um real que é visível
Surpreende todo dia
Nos enganos de aparência,
De lá do mais fundo nível
Cada luz que ninguém via
Ela traduz à evidência.

Traduzido o intraduzível,
A gente se delicia
Na poética afluência,
Melhor se imperceptível
A janela onde se espia
O coração da existência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário