sábado, 17 de junho de 2017

Mão única...

Garoeiro – Natal, RN, 17 de junho de 2017.


















Na mão única mortal,
Só para a frente empurrão,
Levas, ó Tempo, a nau
Que reconstituição
Para além de seu final,
Os idos jamais terão.

E sofro que nada arguas
Nunca a quem, um mero esporo,
Na mão única destruas.
Por isso, porém, não choro,
Pois eu tenho estas duas,
Que abraçam a quem adoro...

Nenhum comentário:

Postar um comentário