sexta-feira, 9 de junho de 2017

Hibiscus

Garoeiro – Natal, RN, 9 de junho de 2017.













Ninguém sabe explicar porque acontece
A febre da saudade inesperada:
Olho a flor e minh'alma se entristece
Duma tarde que lembra já passada...

O que passa faz crer que a gente esquece,
Mas resta muita dor inacabada:
Para que o sentimento se processe,
Basta o senão do acaso, um quase nada...

No meu sonho de amor que a quis tanto,
Nossas flores hei de lembrar – quem sabe? –
Em testemunho do melhor encanto.

E em vão espero que a saudade acabe,
Enquanto a tarde de domingo some,
Nesses hibiscus duma cor sem nome...

Nenhum comentário:

Postar um comentário