quarta-feira, 10 de maio de 2017

O amor que fica nas canções

Garoeiro – Natal, RN, 10 de maio de 2017.












Policromia de suaves tintas
Sobre um riscado ardente de paixões,
E o contraste de cores tão distintas,
Nosso amor era feito de canções.

Renego, agora, as emoções extintas,
Comuns à morte das separações,
Cantando solo em solidões famintas,
As músicas dos nossos corações.

Lembrando sinto um pouco de alegria
Na tristeza da minha cantoria,
Mas cantando já não me desespero.

Eu não sei por que outro tu me esqueces,
Quando em mim canta a dor que bem conheces:
Ah, se soubesses o bem que eu te quero!

Nenhum comentário:

Postar um comentário