segunda-feira, 1 de maio de 2017

Maio

Garoeiro – Natal, RN, 1º de maio de 2017.
[ Para: Belchior, in memoriam ... ]



















Mal de Abril gentil me saio,
Sonhador e inquieto,
Desse pântano lacaio
Cobrindo o Brasil repleto,
E o coração de soslaio,
Começa a pulsar direto
Nas gostosuras de Maio,
Sem os juízes do exceto.

Mas o Nada – mestre arraio –
Com sua rede de veto,
Contra a pesca em que me espraio,
Pesca meu cantor dileto:
Belchior jaz em seu raio,
Por não ser o predileto,
Não posar de papagaio,
Nem canção dar por decreto.

Meu Maio neste balaio
De recordações e afeto,
Contra o cenário cambaio,
Cuida o sonho de andar reto,
Que o futuro que não traio
Já está virando um projeto,
E essa multidão, ensaio,
De histórico arquiteto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário