quarta-feira, 12 de abril de 2017

Lição de rio...

Garoeiro – Natal, RN, 12 de abril de 2017.
[ Para: Mulheres que amei ... ]














À doce correnteza no remanso,
Essa canção do rio e do vento,
De estar a vê-la se cantar não canso,
Num êxtase de paz e esquecimento.

Do marulhante natural balanço,
Recuso explicação, entendimento,
Sentindo-o, embora, prêmio de descanso
Dado ao afã de andar, que é meu intento.

Da música, porém, serenamente,
Bem quieto a ouvi-la uma razão se fez,
Sobre um doer contraditoriamente,

Do que, porque não muda, não tem vez,
Pois as pedras murmuram na corrente,
Que à inércia dói demais a fluidez...

Nenhum comentário:

Postar um comentário