quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A lei e seus donos...

Garoeiro – Natal, RN, 21 de setembro de 2017.

















Nossas cortes superiores
Urdem manipulação
Com juízos novadores
Conforme a ocasião...

Lei é reta direção
Sem acaso nem esquina:
Cuida cada opinião
Ao largo de quem opina.

Não há pior retrocesso
Na alma do tribunal
Se a sentença no processo
Vem ditada no jornal.

Pois pensa o justo a respeito:
“ Um judiciário injusto,
Dono da lei, do direito,
Torna o crime mais robusto... ”

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A esperança

Garoeiro – Natal, RN, 20 de setembro de 2017.
[O supérfluo não é teu, roubaste-o! ” – Michel Quoist ]


















Das classes sociais a divisão,
Para quem tudo tem dar mais opera,
Num triste enriquecer que depaupera
Pela desigualdade a união.

Do abuso proprietário é pretensão
Que tendo seja mais do que se espera,
Como se a posse fora essa quimera
Que salva o crime da acumulação.

Os condenados dessa injusta herança,
Sobre despojos, nós tão só dispomos
Pela roubada vida, de esperança.

Nutrido de alimento assim tão doce,
Todo o não ser que somos e não fomos,
Jamais será, mas é como se fosse...

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Governar de novo...

Garoeiro – Natal, RN, 19 de setembro de 2017.














De minha agora perdida
Tão sincera lealdade,
Onde estás, lira vencida,
No caos da barbaridade?

Se nunca foi colorida
Nem fruída na bondade,
Por sua alma ferida
Cantaste outra realidade.

Uma Esquerda traduzida
Na força e na qualidade
Do amor à causa querida,
Contra o Dragão da Maldade.

Canção sendo destruída
Na pusilanimidade,
Na mina reproduzida
Da nova continuidade...

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Faminto anseio

Garoeiro – Natal, RN, 18 de setembro de 2017.












Anseio de paz e sossego em vida,
De toda a Humanidade preferência
Buscada a sofrer com paciência,
Sobreviver no mundo desconvida.

A essência humana subdividida
Desune tudo pela concorrência,
Na traição enquanto humana essência,
Para manter toda união traída.

Gerado nas ruínas pavorosas
Das velhas comunhões esperançosas,
Egoísmo agressivo sobreveio.

Porém canto inda assim em prol de unir,
Em pleno surto vil de desunir,
Sossegando meu mais faminto anseio...