sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Manifesto desmobilizado...

Garoeiro – Natal, RN, 17 de novembro de 2017.












Estar provido, garantido, agraciado,
E uma sobrevivência tranquila obtendo,
Eis, o anseio de todo o mundo aí, sofrendo,
Do bem prometido, já desesperançado.

Aceitamos, lá atrás, o prazo demorado,
Sem querer nada e o nosso melhor cedendo,
Para vir padecer afinal, padecendo
Disso aqui, contra o que temos tanto lutado.

Resta a clareza, agora, que o caso concreto,
Na plena derrocada desse teu projeto,
Só pode ser porque o alvo é o que tu percalças.

Alheios, então, deixai-nos ao mais que peças,
Até que possas nos pregar novas promessas,
Promessas outras, que não essas, menos falsas...

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Fogueiras

Garoeiro – Natal, 15 de novembro de 2017.

















Por esse fim de amor, da amizade,
Matam todo o prazer carrascos vis
Nessas fogueiras da moralidade,
E encantada a plateia pede bis.

Nem o abuso sequer de crueldade
Com seu mal evidente de raiz,
Consegue fazer ver a insanidade,
No transe da cegueira aprendiz.

Tantos tendo o horror por felicidade
Quando o efeito manada é o que condiz,
Convir acabo já na minha idade:
- Preciso tratar de me achar feliz...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Desenredo...

Garoeiro – Natal, RN, 14 de novembro de 2017.












Empinasse papagaio
Nessa brisa, subindo,
Ou mesmo outro gosto gaio
Num domingo assim tão lindo,
Na praia onde me distraio
Gente pelada, sorrindo,
Mas em vez de bom ensaio,
Liga o amigo resumindo
No seu discurso cambaio,
Um céu de desgraça vindo
Descarregar-me o seu raio:
A dona do enredo infindo,
No desenredo do arraio...

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Muda alegria

Garoeiro – Natal, RN, 13 de novembro de 2017.

















O livro mercadoria,
Por obra de mercadores,
Vale a fama que associa
Uns milhares de leitores.

E eu que escrevo todo dia
Num deserto de editores,
Leem minha poesia
Não mais de dez sonhadores.

Nada sofro, todavia,
Por faltar consumidores,
Gozando a muda alegria
Do gozo dos escritores... 

domingo, 12 de novembro de 2017

Eflúvios

Garoeiro – Natal, RN, 12 de novembro de 2017.












Vêm às vezes pressentidas
Em dor que nada desfaz,
Memórias escondidas
Dos meus tempos de rapaz.

Imaginações dormidas
De fantasia veraz,
Trás uns morros parecidas,
Ou com pés de manacás.

Voltam embora perdidas
No passado que em mim jaz,
Minhas vidas não vividas
Que ficaram para trás...

sábado, 11 de novembro de 2017

Arenga

Garoeiro – Natal, RN, 11 de novembro de 2017.













Por orgulho me desprezas,
Onda de estar nem aí,
E nas caras que revezas,
Mangas de mim que morri.

De julgar que assim me enfezas,
Dás toda hora um piti;
Pois saibas, já não me lesas,
Vivo bem aqui sem ti...